Escriba de Broalhos cronicando cenas no belogue sobre cultura audiovisual e artística

Síntese de Filosofia Cartesiana

A Filosofia de René Descartes é considerada a raiz do Pensamento Moderno, pela sua revolucionária forma de pensar a Filosofia, a Matemática, entre outras áreas do saber.

Platão foi o percursor do Racionalismo, mas Descartes foi quem o lançou, e sistematizou, na Era Moderna – esta corrente filosófica traduz-se no primado da Razão, na rejeição de qualquer conhecimento que não advenha de pensamento lógico, estruturado matematicamente. No Racionalismo, a fonte de todo o conhecimento é a Razão, as ideias prévias, inatas, desligadas da experiência, que são património originário da própria Razão, do bem julgar, do distinguir verdadeiro e falso ou mesmo homem e animal.

Para Descartes, os testemunhos que os sentidos do corpo dá são falaciosos – os sentidos são confundidos por constantes variantes, ilusões, e por isso qualquer conhecimento que parta destes não é válido. É assim que Descartes deixa de parte a experiência como meio de obtenção de conhecimento verdadeiro. A única forma de obter indubitável conhecimento é através do pesamento racional, lógico, que comece a sua demanda epistemológica por assumir tudo quanto antes conhece como dúbio. Descartes acha uma única maneira de construir verdadeiro conhecimento – através da Dúvida, hiperbólica e metódica, rigorosa e usada com um método certo. Esse mesmo método é o objecto da sua obra mais conhecida, “O Discurso do Método”. A Dúvida Metódica é o ponto de partida para o conhecimento (é o primeiro estágio no Itinerário Filosófico Cartesiano).

Descartes aplica esta Dúvida a tudo quanto “achava” conhecer, incluindo a sua própria existência. Da sua reflexão sobre si mesmo, conclui que, já que pensa, a sua existência é assim mesmo provada: “cogito ergo suum” – o segundo estágio do seu Itinerário Filosófico, idealista e solipcista. Logo, Descartes prova racionalmente que existe uma Suma Entidade, que é a origem, garantia da Razão Humana (igual, comum a todos os Homens). Por fim, Descartes prova também a existência da Res Extensa, do Mundo físico, extensão geométrica tridimensional de movimento e realidade sujeitos às leis constantes de Deus (e esse é o quarto e último estágio do Itinerário). Tudo isto conclui Descartes aplicando o seu Método, qual instrumento científico da aplicação da Razão em busca da Verdade que se resume no Ideal Cartesiano – “uma só razão, um só método, um só saber”.

O Método de Descartes estrutura-se em quatro regras essenciais: a da Evidência, que entende as ideias claras, distintas, evidentes, como Intuição, directamente vindas da Razão; a da Análise ou Divisão, que decompõe problemas complexos em elementos constituintes mais simples; a da Síntese e Ordem, que reconstitui o todo partindo das partes mais simples e elementares no seguimento de uma ordem; a da Enumeração, que é a rectificação final, a tomada de certeza de que nada foi omitido, a Indução.

Enquanto avançava com as suas reflexões metódicas, Descartes passou a entender o conhecimento em três grandes categorias: os Saberes Aplicados (Moral, Medicina, Mecânica), que brotam da Fisica, Ciência do Mundo, decorrente da Metafísica, da Filosofia Primeira, das Ideias Inatas, da Razão. E, na concepção de conhecimento cartesiana, as Ideias do pensamento subdividiam-se em três categorias: as adventícias, que provinham do mundo exterior, sensível, e as factícias, que eram decomposições imaginativas, deturpadas de percepções sensíveis, ambas eram ideias confusas e obscuras; já as inatas eram provenientes meramente da Razão, do Intelecto, naturezas simples, decantadas, certas e evidentes, conhecidas somente através da Intuição, condutoras do Saber e da Verdade.

A influência platónica é vasta na obra cartesiana, sendo quase evidentes as ligações entre a Dúvida Metódica e a Douta Ignorância, ainda que, claro, Descartes ultimamente a torne mais complexa, rigorosa. E, como Platão, tende também a construir a sua teoria num entendimento dogmático, que filósofos tomam como falacioso em antíteses.

One response

  1. Wianderson Souza De Alencar

    A maneira de grandes pensadores são muito complexas e isso faz o fator se explicado com todas as suas formas de pensar seja ele na matemática ,na filosófia ou em quaiquer outras áreas.

    21 de Março de 2014 às 19:47

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s