Escriba de Broalhos cronicando cenas no belogue sobre cultura audiovisual e artística

“As Mil e Uma Noites” – Obra

"An Odalisque", de Joseph Douglas

Tratam-se de contos tradicionais do Médio Oriente e da Ásia do Sul compilados na língua árabe pelo século IX. Os contos são narrados por Xerazade, que os raciona em serões com o seu esposo Schariar. Xerazade guarda sempre algum detalhe, algum final, algo que só possa revelar na noite de histórias seguinte, para o esposo não a poder matar como fazia às mulheres anteriores logo após até à própria noite de núpcias. Isto devia-se à traição que o rei Schariar sofrera da primeira esposa – desde então todos os dias desposara uma virgem, que decapitava após a primeira noite do noivado.

“As mil e uma noites” foram, portanto, quantas noites Xerazade passou na alcova do rei, temerosa mas carinhosamente contando as suas parábolas e cantando as suas estrofes.

É desta miscelânea de contos que vieram personagens icónicas como Sinbad, Aladdin, Ali Baba, entre outras.

N’ “As Mil e Uma Noites”, empregam-se técnicas literárias e estilísticas como a visualização dramática, com detalhes exacerbados; as prolepses, que prevêem o futuro narrativo; as analepses, que revêem o passado narrativo; a sátira; o narrador subjectivo, em que não se pode confiar; elementos do género policial/de mistério, numa sequência narrativa de engano e interrogatório, pistas e resoluções de mistérios através de indícios e confissões; elementos do género de horror, como assombrações e fenómenos paranormais, sugestões de ambientes góticos; elementos de ficção científica e fantástica, como criaturas mitológicas ou aparelhos subaquáticos ou voadores inexistentes no tempo dos contos:

Exageros comuns nas descrições “coloridas” de ambientes ou personagens e as citações de poesia;

A humilhação de personagens ou grupos sociais, situações ou locais;

A resolução de casos de homicídio, como no “Conto das Três Maçãs”;

A ameaça da morte, presente logo no fio-condutor das narrativas, a própria Xerazade, ameaçada constantemente;

O cavalo voador de bronze, a expedição arqueológica no Saara ou a viagem inter-planetária de Tawaddud às mansões da Lua…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s